A prática do aterro zero, que já é adotada por muitas pessoas e comunidades, vem sendo cada vez mais procurada por empresas que buscam reduzir o impacto ambiental de seu processo produtivo e contribuir com a construção de uma economia sustentável. Mas, afinal, você sabe o que é aterro zero?

O conceito de aterro zero emergiu na década de 1970 como desdobramento da discussão sobre a temática ambiental que começou a ganhar cada vez mais força a partir da década de 1960. A expressão “aterro zero” designa uma forma de gestão de resíduos que busca eliminar o uso de aterros sanitários por meio da reutilização, redução e reciclagem de todo o resíduo produzido por qualquer atividade humana.

Apesar da ideia parecer radical na cultura consumista em que estamos inseridos, a prática do aterro zero nada mais é do que a retomada de técnicas e práticas tradicionais, como a compostagem, a reutilização de materiais e o consumo consciente. Ficou interessado em saber mais sobre o tema? É só continuar a leitura e conferir!

Qual a importância do aterro zero para o meio ambiente?

Em nossa sociedade, entendemos o lixo como aquilo que pode ser jogado fora. O problema dessa lógica é que ela ignora que, quando o assunto é lixo, não existe fora. Nossos resíduos podem estar longe dos muros das nossas empresas, mas eles continuam presentes em nossa cidade, em nosso país e no mundo em que vivemos.

Sob uma ótica otimista, caso o resíduo descartado não seja levado pelo vento, perdido pelo caminho ou ainda simplesmente jogado na rua — como muitas pessoas em nossa sociedade ainda costumam fazer — ele terá como destino um aterro sanitário.

Os aterros, que para boa parte dos resíduos que geramos é a única solução economicamente viável, estão longe de ser a melhor opção para a questão ambiental. Afinal, um aterro exige espaço, envolve desmatamento, impacta negativamente as populações que vivem ao seu redor e possui vida útil. Logo, quanto mais lixo a população gera, mais aterros sanitários precisam ser construídos.

Diante desse cenário, a prática mais adequada para prevenir um colapso ambiental nos próximos anos é evitar tanto qualquer geração de resíduos quanto a necessidade da formação de novos aterros sanitários. A ideia é que todo resíduo gerado pelo homem deve estar inserido em um ciclo natural, que contemple a reutilização desse material ou sua decomposição por vias naturais.

Quais requisitos uma empresa precisa preencher para ser “aterro zero”?

Para uma empresa ser considerada “aterro zero”, ela precisa conseguir desviar, pelo menos, 90% de sua produção de aterros sanitários.

Para alcançar essa meta, a empresa deve identificar quais são os tipos de resíduos gerados pela sua atividade e buscar formas de reduzir a produção deles, garantir a compostagem do lixo orgânico e certificar-se de que os resíduos recicláveis que não podem deixar de ser gerados sejam reutilizados ou encaminhados para reciclagem.

Isso requer um esforço de gestão de resíduos que envolverá todas as etapas de produção da empresa, uma vez que para conseguir evitar o uso dos aterros sanitários, ela precisará repensar seus hábitos de consumo.

Quais benefícios o aterro zero gera para a empresa?

A adoção do aterro zero requer que a empresa redobre a atenção em todas as etapas de seu ciclo produtivo. Isso traz como benefício a melhoria do processo de gestão e a redução dos custos operacionais para a empresa.

A necessidade de garantir a reciclagem dos resíduos que forem gerados pode ainda se converter em uma fonte de renda para a companhia, que pode revender seus resíduos para plantas de reprocessamento.

Além das vantagens financeiras, o aterro zero é uma forma de reduzir sensivelmente o impacto ambiental da empresa, garantindo que os produtos gerados pelo negócio possam ser considerados sustentáveis.

Por sua vez, a sustentabilidade no processo de produção garante segurança jurídica à empresa, na medida em que representa o total cumprimento da legislação ambiental brasileira, sobretudo da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Como adotar esse conceito em minha empresa?

Para as empresas interessadas em adotar o conceito de aterro zero, o primeiro passo é revisar todo o seu processo de gestão de resíduos procurando por medidas que permitam evitar a geração de lixo.

Pequenas ações como a abolição do uso de materiais plásticos, a adoção da compostagem e a entrega de vidros e óleos usados para cooperativas de reciclagem são medidas fundamentais para que a empresa se torne aterro zero.

No caso das empresas que se enquadram na categoria de grandes geradoras e que possuem um volume de lixo maior, é imprescindível atuar em parceria com uma empresa especializada em gestão de resíduos. Isso porque esta vai auxiliar a companhia na redução da geração de resíduos e na comercialização eficiente dos resíduos recicláveis.

Se você é um grande gerador e tem interesse em se tornar “aterro zero”, entre em contato conosco para que possamos mostrar como podemos ajudá-lo!

1
Olá!
Como posso ajudar?
Powered by